terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Esperando, Esperando... Esperando..



João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém....

Em uma cidadezinha sem graça e calorenta do interior de Minas, la do alto em uma varanda mal feita mas com vento suficiente para acalmar os nervos e apagar o cigarro caro comprado na semana passada que sinceramente tem um gosto horrível, ele acaba de chegar na maior , melhor e mais complicada decisão de sua vida , coitado fez equação sem considerar as variáveis, e acabou de descobrir que o que tem de lindo no amor também teria de complicado, sinuca de bico, mato sem cachorro. 
  Ponta dos dedos amareladas e envelhecida por conta do  tempo e o cigarro, não se casou não teve filhos e continua atrasado no minimo umas duas doses, perdeu por birra e por pirraça e por medo os dois amores da sua vida, por birra trancou as grades e ninguém conseguia entrar nesse seu mundo , e quem ousava em pular a janela e entrava logo se ia, e por pirraça ele não ia atrás 
um telefonema bastaria passaria limpo a vida inteira, mas não, pra ele e muito ou quase nada e quase nada nunca vale a pena. quando se soltou se desprendeu do que o fazia mau, Perdeu o segundo amor da sua vida mas pobre Rapaz desta vez foi por medo, e pasmem não dele dessa vez não. ele tentou lutou foi bravo. do tipo comedia romântica ou novela mexicana, eu ficaria com a segunda opção. mas mesmo assim o medo não era dele era do seu amor que teve medo e preferiu continuar dentro das grades e não se arriscou , e agora ele literalmente virou calendário do ano passado, e não tenha chuva nem noite  que te traga alivio imediato, por dentro se esvaziou de sentimento , achou melhor não sentir nada achou mais seguro , e por ai continua andando Só sem saber o porque , desatou os nós e hoje Talvez seja feliz Talvez não Nem ele sabe ao certo se sim ou se não ou ate quando... 



João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história